terça-feira, 19 de janeiro de 2016

A MUDANÇA AQUARIANA E A RADIAÇÃO ANTROPOCÊNICA -4

O INFLUXO DE RADIAÇÃO E O GÊNESE

Dois anos depois da Convergência Harmônica de 1987, uma imensa tempestade magnética bombardeou a Terra com bilhões de toneladas de plasma carregado. Seus cientistas e geofísicos notaram o efeito. Eles registraram mais de 200 explosões solares em 36 ejeções de Massa Coronal num período de cerca de 2 semanas. Onze delas eram da Classe X. A Aura da Terra, a magnetosfera, foi achatada até a metade do seu tamanho normal, dando a impressão de algo como uma água-viva plasmática.

A grande tempestade magnética criou um caos. A NASA perdeu o controle dos objetos espaciais que estava monitorando, sofisticados sistemas de computador travaram, plataformas de petróleo pararam de perfurar, o sistema de posicionamento global (GPS) falhou, as bússolas falharam, redes elétricas entraram em curto, deixando milhões de pessoas no Canadá e América do Norte sem energia. A estação espacial MIR foi abandonada.


Este influxo continuou. A maior explosão solar já registrada até hoje ocorreu em 2001, seguida de 150 tempestades em 2003. Nas duas últimas décadas houve mais explosões Classe-X do que em qualquer outra época registrada da história. Fenômenos luminosos incomuns começaram a ocorrer. Raras auroras boreais foram observadas, as auroras tornaram-se visíveis à luz do dia, fenômenos interessantes de relâmpagos chamados “água-viva, duendes e elfos”(4) foram registrados com mais frequência do que nunca. Os círculos nas plantações evoluíram para desenhos muito mais complexos, facilmente diferenciados das supostas construções feitas pelo homem.

(4) NT:- Veja: “Eventos Luminosos Transientes” (http://pt.wikipedia.org/wiki/Evento_luminoso_transiente ).

Postar um comentário