quarta-feira, 27 de julho de 2011

GOTAS DO TEU POEMA




GOTAS DO TEU POEMA
Cândido


Trazes-me um poema para sonhar
Neste meu kamassutra de ilusões
Onde destilo minhas emoções
Num subconsciente a delirar.


E quando a noite vem cálida e lenta,
Com um gesto de poeta perverso,
Meto no teu poema este meu verso
Com loucas rimas que o amor inventa.


Sentia-se um cheiro a cio felino,
Como aromas de perfume divino,
Que um doido despertar evaporou.


Quando no quarto entrou a luz do dia
Vi nos meus lençóis, pingos de euforia:
Gotas que o teu poema me deixou!
Postar um comentário